A Fundação Renal Portuguesa está a realizar, através do seu departamento técnico, uma acção de sensibilização junto dos utentes renais crónicos com o objectivo de educar e consciencializar para a adequada adesão terapêutica. A medicação associada aos tratamentos de hemodiálise é essencial para o bem-estar e para a qualidade de vida desta comunidade.

Desde a última semana, a equipa liderada pela farmacêutica da FRP, Patrícia Santos, tem feito várias acções no sentido de mostrar aos utentes o porquê da importância da toma medicamentosa. Todos os dias há quem não cumpra com as indicações dadas pelos médicos, o que leva a piores condições de saúde e um desperdício muito grande de medicamentos e recursos financeiros.

No âmbito do programa S.M.S. – Saúde, Mental e Social, os técnicos da FRP recolheram mais de 2600 comprimidos, nos domicílios de utentes, relativos ao primeiro semestre de 2016 e que não foram administrados tal como foi prescrito pelos médicos. O não cumprimento das orientações médicas leva a um desequilíbrio no funcionamento do corpo com consequências para a saúde de quem sofre com a doença renal. Além disso, a recolha dos medicamentos que já não podem ser tomados representou uma verdade de mais de 1200 euros.

É importante que os utentes  saibam para que serve cada medicamento e a pertinência da sua toma, para que em cada alteração possam seguir as indicações clínicas adequadamente e transmitir as suas dúvidas junto dos médicos ou do pessoal habilitado para tal.

É por várias razões que a Fundação Renal Portuguesa avançou com a realização desta acção de sensibilização que tem como principal objectivo fazer com que os insuficientes renais crónicos complementem o tratamento de hemodiálise com os medicamentos essenciais para a saúde e bem-estar de cada um.